Marrocos - Na Terra do Sol Poente

Viagem a solo por Marrocos, entre 22 Abril e 3 Maio de 2012. Uma aventura fantástica, uma terra de gente hospitaleira, uma viagem que me surpreendeu.

Nota: Este relato foi escrito ao abrigo do DESacordo ortográfico !

1ª parte (há mais duas no forno)



Domingo, 22 Abril 2012


Deu-me a preguiça e só saí de casa pelas 7h da manhã. Não chove mas está frio. Cruzei Portugal em modo robótico. Como sempre, quando estou na estrada o cérebro pára. À medida que os km avançam deixo de pensar. Entro numa espécie de transe. Estrada fora.

Fui espremendo o depósito para a gasolina chegar até Espanha. Bem mais barata. Só acordei a seguir a Aracena. A uma semana das corridas de Jerez de la Frontera, a estrada está cheia de polícia e operações stop. E stop na Paulinha. Com cara de mau o polícia pede os documentos. Tiro o capacete, o vento solta-me os cabelos. Cara de espanto do polícia. Ainda mais espantado enquanto procuro nos bolsos todos pela carteira, ar de atrapalhada, uma ventania enorme. Faz um sorriso subtil. Com um sorriso ainda maior, entrego-lhe os papéis e afasto o cabelo da cara.

Pergunta: Vais para Jerez?

Não, vou para tarifa. Quando era jovem ia para Jerez. Agora não. Quero passear. Riu-se e responde: Também eu andava por aqui e fazia corridas nestas estradas. Agora gosto de passear. (prontos, o polícia também é motard). Ficámos um bocado à conversa. Nem olhou para os documentos. Mandou parar o trânsito para eu seguir, debaixo do olhar de inveja e espanto de um grupo de jovens com motos de estrada que estavam a pagar a multa.

Mais à frente outra operação stop. Parei, olhou para mim e mandou seguir. Cada vez mais perto de Jerez e mais polícias, muitos. Sou ultrapassada por uma carrinha em alta velocidade e logo a seguir dois polícias de moto. Carrinha encostada à berma. Poucos km depois, vejo pelo retrovisor uma moto da polícia encostada a mim. Seguiu-me por um bocado, ultrapassou-me, cumprimentou, e seguiu. E passaram mais, que acenaram e seguiram. Parece que o esquadrão todo já sabe que a Kota vai aqui.

Um vendaval de sacrifícios depois cheguei a Tarifa, moto inclinada, dores no pescoço. Raio de vento. Depósito na reserva. Só meto gasolina em Marrocos. Tem de chegar para entrar no Ferry.


2ª Feira, dia 23 Abril 2012

Levantei-me cedo. O Ferry é às 9h da manhã. Pelas 8h era uma fila enorme na bilheteira. Quase perco o barco. O que vale é que o ferry só parte depois de venderem os bilhetes todos. Se fossem ingleses ficava aqui até ao meio dia, hora do próximo. O passaporte foi carimbado dentro do barco. Antigamente os oficiais estavam numa mesa num canto do deck. Agora têm um guichet próprio.

Desembarque e fronteira. Um guarda distribuía os papéis da alfândega. Encosto o papel ao nariz. Tenho de tirar os óculos. Começo a preencher o papel em cima da mala da moto, atrapalhada com o vento, entre segurar o papel, a caneta e o passaporte e os óculos pendurados na ponta do nariz. O guarda olhava para mim... Dá cá, eu ajudo… Preencheu tudo, levou o passaporte e disse para esperar. Está pouca gente na fronteira. Fico a observar o que se passa. Um marroquino, aperaltado de empregado, com uma bandeja, oferece chá aos turistas. Copos de vidro, um sorriso largo. Dois dedos de conversa e pede 10 dirhams por cada chá. Depois de pago, puxa por copos de plástico e recolhe os copos de vidro. Cumprimenta e segue para outro grupo de turistas. Bem-vindos a Marrocos.



Logo à saída do porto, vou ao banco trocar dinheiro. Um arrumador indica-me o estacionamento. Paro à beira da estrada. Quando volto, mete conversa comigo. Dá-me as boas-vindas. Fala num francês que mal se percebe. Quer a propina … Propina? … diz que é por guardar a moto. Digo-lhe que a moto não foge. Rio e faço ar de parva. Arranco a pensar que esta vai ser a minha vida nos próximos dias. Faz parte.

Em Tanger, o 1º posto de abastecimento à saída do ferry parece um engolidor de turistas. Os funcionários estão quase no meio da estrada a chamar veículos de matrícula estrangeira. Abastecem com cerimónia, o contador nunca fica com preço certo, arredondam os cêntimos e negoceiam o valor do troco. Ligo o “modo cigano”. Obrigo o funcionário a dar-me o troco todo, incluindo os cêntimos.

A velocidade dentro do perímetro urbano de Tanger é 60 km/h. Desde a saída do ferry até à portagem do autoestrada, contei 7 radares. E perdi a conta aos radares no autoestrada. Segui para Sul até Kenitra. Não me apetece ir pela estrada interior. Quero começar a passear a partir de Meknes. A parte norte de Marrocos não me interessa.

Depois de sair da autoestrada, começo a gostar da paisagem. Campos cultivados, verdes, amarelos, estrada limpa, sem trânsito.




Já perto de Volubilis sente-se a máquina turística. Anúncios de hotéis, auberges. Homens saltam para o meio da estrada a acenar, abrem os braços em gestos abaulados. Lugar para acampar (penso que devem achar piada aos turistas que pagam para montar a tenda no quintal). No acesso para as ruínas romanas, ao longe, um parque de estacionamento a abarrotar de camionetes de turismo. Fico logo arrepiada. Filinhas de turistas movem-se entre ruínas. Não me apetece ver pedras.






Tiro umas fotos ao longe, dou meia volta e saio dali. Vou espreitar Moulay Idriss. Li na Internet que é uma vila típica, ……………


Subi até ao centro e encontro uma vila árabe, confusão, casas inacabadas. Mais uma desilusão. Lê-se muita coisa na Net.




4h da tarde e estou cansada. Meknes é já aqui ao lado. 30 km depois entro numa grande cidade. Estou parada numa grande rotunda a tentar sintonizar. Para um automóvel ao meu lado. Um homem pergunta se preciso de ajuda. Estou à procura do posto de turismo. Tenta explicar o caminho mas a minha cara de ignorante fê-lo desistir. Faz um gesto: Vem atrás de mim. E lá vou eu a perseguir um Peugeot igual ao que o meu avô teve, há muitas décadas atrás. Desembocamos na praça central, frente ao posto de turismo … que estava fechado. À porta, dois homens conversavam. O meu ar de desalento deve ter sido tão grande que me perguntaram-me se precisava de ajuda. Explico que gostava de encontrar um Hotel, barato. Afinal eram funcionários do turismo. Abrem a porta e vão buscar uma lista de hotéis. Recomendam-me um, aqui perto, decente e barato. Ainda me dão o mapa da cidade e explicam-me os lugares a visitar. Agradeço e caminho para a moto. Um deles vem atrás de mim. Para me dizer que está à disposição para me acompanhar numa visita pela cidade, mostra-me os museus … e as lojas.

Acho que 90% dos marroquinos são comissionistas de um qualquer hotel, loja, museu ou restaurante. Está-lhes no sangue vender coisas. Assim que vêm um estrangeiro correm cifrões nos olhos. Encaminham-nos para os locais e depois voltam lá para receber a propina.



O Hotel Palace cobra 180 dirhams por um quarto single com WC e duche. Papel higiénico cor-de-rosa. A Internet não funciona. E água quente, só depois das 7h da tarde. Vou dar uma volta para fazer tempo até ao banho, espalhar o mau cheiro pelas ruas cheias de gente. As lojas estão em saldo. Tenho fome. Os Salons de Thé só têm homens. Descubro que as mulheres vão às Patisseries. Entro numa. Aponto para um bolo. Para beber, não percebo o que ela diz. Acenei a qualquer coisa. Sai-me um batido de morango. Fixe.






8h da noite. Finalmente um banho quente e saio para jantar. O recepcionista do Hotel indicou-me um restaurante, barato, um pouco mais abaixo, na avenida. Escolho uma Tagine de almôndegas com ovo, apontando para o menu que tinha fotos com preços marcados. Sento-me dentro do restaurante. Arrependo-me logo. Cheira a fritos. A Tagine parece imensa. Penso que só vou comer metade. Acabo com ela toda. Percebo que estava esfomeada. Não almocei, é normal. Peço um chá e vou para a esplanada. O empregado, um miúdo com os seus 16 anos, corre para uma loja perto para buscar o chá. Já tinha feito o mesmo quando pedi uma garrafa de água (jantar 52 dirhams).

Cá fora sopra uma brisa agradável. As ruas estão cheias de gente, as lojas ainda abertas. Grupos de mulheres olham as montras. Os homens andam aos pares, param e cumprimentam-se com 4 beijos. Está um trânsito caótico. No cimo da avenida, no largo do posto de turismo há uma grande animação. No jardim central está montado um arraial. Carrinhos de choque, carrossel, cadeiras giratórias, miúdos aos saltos de contentes, famílias a passear, tudo ao som de música pop-rock … em árabe.


3ª Feira, dia 24 Abril 2012


Vou tomar o pequeno-almoço na patisserie ao lado do hotel. Bolos e batido de morango. É o que há. Despeço-me do simpático empregado do Hotel e vou dar uma volta pela cidade. A Medina é ao fundo da avenida. Está cercada por uma muralha antiga que deve ter km. Sigo o trânsito e entro na Medina. Acabo numa praça frente às portas do Museu de Meknes. Bem no meio das lojas. Ainda é cedo, as lojas ainda não abriram mas já há muita gente pelas ruas. Não me apeteceu parar para ver bujigangas, nem casas inacabadas. Tiro umas fotos e vou vadiar pelas avenidas de Meknes.







O trânsito até que nem é muito complicado. Para quem tirou um mestrado de condução na Índia, safo-me bem no meio das tangentes que os carros fazem. Os semáforos têm contadores. 5 Segundos antes do sinal verde cair, já os taxistas estão a apitar. É uma tribo universal.

Chego, sem saber como, a um campo junto à muralhas onde se prepara um qualquer festival. Talvez fosse giro de ver. Há tendas montadas e cavalos prontos para o espetáculo. É uma visão interessante.








Rumo à floresta dos Cedros. Faz agora 5 anos que passei por aqui. Debaixo de chuva e neve. Só me lembro de uma cortina de nevoeiro opaca. Reconheço alguns locais. Até o café onde parámos para descongelar. Hoje vou em sentido contrário. De norte para sul. Está uma agradável temperatura de 23 graus, céu limpo, muito espaço aberto. Perfeito!





A paisagem é linda. As chuvas das semanas anteriores deixaram tudo verde. Campos sem fim, muitas ovelhas. Os pastores sentam-se à beira da estrada a ver passar os carros. E as ovelhas também. Vou com cuidado sempre à espera de encontrar um rebanho no meio da estrada. Ainda há uns restos de neve cá em cima. E cedros. Florestas e rebanhos. Tudo verde.






Almoço numa pequena aldeia que não sei o nome. Tagine de carne e legumes é a única coisa que servem. Não têm talheres mas vão pedir na loja do lado. Peço uma garrafa de água mas não há, nem na loja ao lado. Só chá. (Tagine e chá são 32 Dirhams).




 
 
À medida que sigo para sul a vegetação vai escasseando. A terra muda de cor. O verde fica para trás. Primeiro os tons de vermelho, terras de pedras. As placas indicam Er Rachilda a uns 100 km. Já perto de Midelt vêm-se as montanhas ao longe. Cinzentas. Está a chover. E a trovejar. Ao longe vem-se raios enormes e fantásticos. Tinha planeado ficar em Midelt e parece que vou mesmo ficar.
 
 







 

À entrada de Midelt encontro uma barreira policial. Faz sinal para parar. Antes que o polícia me peça os documentos, cumprimento e peço-lhe ajuda. Pergunta-me se estou sozinha. Digo que sim. Faz um ar admirado e olha para trás, para a estrada, à espera de ver mais motos. Nem o deixo respirar. Pergunto se me pode recomendar um Hotel, barato e apropriado para mim. Recomenda-me o Hotel Bougafer e dá-me as indicações para o encontrar. Pergunto se a tempestade vem para cá. Responde que vai chover esta noite de certeza. E que não se consegue passar na montanha, está muito vento, chove bastante e a estrada tem gelo. Ainda são 3h da tarde mas vou ter de ficar por aqui.
 

 

O Hotel tem Internet. Fixe, vou dar notícias, ver as novidades e escrever. Hoje fiz apenas 200 km. Mas as montanhas cinzentas ao longe avisam-me que é perigoso continuar. O quarto é razoável, tem ar condicionado, TV, duche e sanita. Deve ser um luxo pois o quarto que o rapaz me queria dar não tem sanita. È à francesa, toilette fora do quarto. Mas o preço é mais caro. Quer 300 Dirhams … negoceio … ficou por 200.
 
O Abdul, que deve ser o dono ou familiar do dono, diz que a moto fica bem frente ao Hotel. Tem um guarda toda a noite. Pergunta-me o nome, de onde venho, ri-se muito. Vou para Merzouga? Ele tem lá familiares que têm um hotel no deserto. Tenho de ver um monte de fotos do Hotel e guardar bem o cartão que me dá. Agradeço a gentileza. Digo-lhe que os marroquinos são muito simpáticos. Fica todo contente. Aproveito para desaparecer. Vou dar uma volta pela vila.
 
Mal me afasto do Hotel aparece logo um Rachid que diz ser amigo do Rui, um português que já cá veio 2 vezes e foi com ele fazer as pistas do Cirque du Jafar. O Rachid não me larga. Indica-me o souk, o bairro antigo, quer levar-me a todo o lado. Diz que Midelt não tem turistas. Só de passagem para o deserto. Mas ele tem uma loja de souvenirs. Tive de ir perguntar qualquer coisa a um polícia para o rapaz me largar. Vai rua acima a falar sozinho e a praguejar.
 










 

Volto para o Hotel. O Abdul deve afastar os melgas. Estou na esplanada e ninguém se aproxima. Isto de ser cliente deve ter alguns privilégios. Só melga quem ele deixa. Mas ainda tenho de agradecer a simpatia de me oferecer lenços para o deserto. Digo-lhe que já tenho. Está na mala da moto. É a 3ª vez que venho a Marrocos. Ele desiste de me vender coisas.
 
Às 8h da noite estou a jantar no salão do1º andar porque o restaurante parece uma sala de cinema. As mesas foram arrumadas a um canto e as cadeiras então enfileiradas e viradas para um LCD de quase 2 metros. Hoje há jogo da Champions e vêm todos para cá ver. Lá em baixo ouvem-se os gritos dos adeptos do futebol. Já ouvi dois golos. Aqui no salão, tenho a companhia de duas marroquinas que veem a novela da noite.
 

Quarta-feira, dia 25 abril


O dia começa cedo.No salão da entrada ainda estão os restos do jogo de futebol. Cadeiras desalinhadas, cheiro a fumo. Pergunto o que há para tomar o pequeno-almoço. O empregado aponta para a esplanada do Hotel onde está uma velhota com uma banca a fazer panquecas. Cheira bem. Pergunto o preço – são 3 dirhams cada. Como uma panqueca barrada com doce. Acompanho com chá. São 7h da manhã, há pouca gente na rua. O Abdul está sentado junto à moto. Diz que ficou ali toda a noite. Ri-se contente. Não me pede propina. Já deve ter percebido que não leva nada. Quando vou pagar a panqueca a senhora pede 4 dirhams. Até a velha engana a turista. Lá vai 1 dirham a mais (9 cêntimos). Nem reclamo. Não vale a pena. Isto está-lhes no sangue.

Em direcção a Sul, começo a ver alguns grupos de motociclistas. A estrada tem pouco trânsito. Alguns camiões e muitas camionetes de turismo. E jipes. Aceleram todos a caminho do deserto. Eu rolo devagar .....











Numa estação de serviço, paro para meter gasolina e tomar um café. Há máquinas de café que tiram bicas normais. Com espuma. Bom café. Está uma patrulha do exército cá fora, e muitos polícias. Um deles de moto. Pergunta-me pelo meu grupo. Não tenho, viajo sozinha. Vou para Erfoud. Ele também. Vamos juntos. E lá vou eu, bem acompanhada por uma centena de km. Não deixa tirar foto.

Descobri que em Marrocos o café é espectacular. Não sei a marca do café, nem me interessa. É bom ! Servido em chávena ou em copo de vidro, é saboroso. Tem espuma.




A caminho de Erfoud passa-se por um túnel, chamado de “Tunel do Legionário”. Vem assinalado nos mapas como um ponto de referência, como porta de entrada no Vale do Ziz. Parece que foi escavado pela legião francesa para permitir a ligação por estrada, entre o Norte e o Sul. Mas não passa de … um túnel.







A estrada serpenteia ao longo do vale do ZIZ. É linda. Sobe e desce os montes, ora se tem uma vista do alto, ora corre junto ao palmeiral. As casas têm a cor da terra, ora vermelha, ora amarela de areia. O ar é quente, cheira a pó, cheira a Marrocos-Sul.


 








 
 
Entro na avenida principal de Erfoud. Muitos restaurantes, alguns grupos de motociclistas a almoçar. Vou andado a ver se algum sítio me agrada. Por experiência, os primeiros restaurantes são os mais caros. É onde os turistas esfomeados param logo. Viro numa outra avenida também cheia de esplanadas. Todos acenam e dizem para me aproximar. Vem um jovem de mobilette perguntar se quero almoçar. Sou teimosa. Vou para onde eu quiser. Vejo um tasco minúsculo com frangos a assar à porta. Ninguém a chamar por mim. Apenas uns locais a beber chá na esplanada. É mesmo aqui. Entro por ali dentro e pergunto se posso comer. Um rapazito novo diz-me que só tem frango. São 45 dirhams e acompanha com batatas fritas e azeitonas. Respondo que não quero batatas fritas (penso cá para mim que o óleo deve ser jurássico) nem azeitonas. Basta o frango e pão. O preço baixa para 30 dirhams. Fixe. Almoço na esplanada sem ser incomodada.



Quando acabo o rapazito mete conversa. Ficamos a falar um bom bocado. Pergunto por um Hotel. Ele conhece um mesmo ali ao lado (de familiares, claro). Mas o preço é razoável e o sítio é limpo. Também conhece um em Merzouga (claro). Digo-lhe que vou até Merzouga e talvez volte. Estou cismada em ir lá. São apenas uns 70 km. Ainda é cedo. Mais um bocado de conversa à espera que passe o calor.

Em Rissani, meia perdida à procura da estrada à direita, para um jipe com um marroquino que andava a passear um casal de italianos. Indica-me o caminho e pergunta logo se já tenho Hotel para ficar. Irra, que eles nem em serviço desarmam. Digo-lhe que vou atrás dele. Fica contente e arranca. Sigo-o até encontrar a estrada. Depois vou ao meu ritmo, Devagar. Perdi-o na estrada. Ainda bem.







O alcatrão acaba no pórtico de entrada de Merzouga. Acaba também o sossego. Entro a medo, por uma estrada em gravilha e areia quase sou atacada por vendedores de passeios de camelos, de estadias em hotéis, de cadeaux. Eu a tentar equilibrar-me naquele inferno e os tipos não me largavam. Um deles, numa mobillete, falou em francês, em inglês, em alemão, em espanhol e depois percebeu pelo autocolante que eu era de Portugal. Eu ali a 5 km//h a tentar não cair e o rapaz empoleirado na mobillette gritava em todas as línguas que me arranjava hotel, camelos para passear e um bivouac no deserto. Não se calava. Há falta de resposta disparou em português …

Não falas com berbéres? …

Foi a gota de água. Saí dali a correr. Acelerei pela pista fora. Chego ao fim da linha e aterro bem no meio dos camelos. Ainda nem desliguei a moto já está o cameleiro a vender-me passeio de 1h pelo deserto. Senti-me uma camela em ter ido ali. Povoação desinteressante, lojas e bazares, alguns jipes e motos de TT a chapinhar na areia, anúncios de cruzadas pelo deserto, um chamariz turístico que não dá para mim. Quero asfalto, quero uma boa estrada de alcatrão que não me dê trabalho a conduzir, que não me exija esforço físico. Nem me apetece ficar aqui, nem pelos 170 dirhams que o Auberge Sable D'Or, em Hasselbit cobra pela estadia, jantar e pequeno-almoço. Sigo para Erfoud de novo. Tenho umas 2 horas até cair a noite. O deserto não me atrai. Já chegaram os 3.000 km que fiz em 2009 a caminho de Bissau. Dei punho e voltei para trás.









Se até ali tinha ido a saborear a estrada, agora queria era chegar. Só relaxei quendo me aproximei de Rissani e entrei no palmeiral. Senti a calma de estar rodeada por plantas, gente, vida. O deserto é estéril, parece que a natureza desistiu de viver.










Direita ao Hotel que os miúdos me tinham aconselhado. Por 150 dirhams tenho um quarto espaçoso, ar condicionado, casa de banho com duche e sanita (começo a pensar que ter sanita é um luxo). E ainda Internet wi-fi. O dono do Hotel tem uma garagem para a moto mas é a 15 minutos daqui. Só de pensar que estou longe da vermelhinha e tenho de carregar com as malas até cá …. Depois ele diz que a posso deixar em cima do passeio. Tem um Guardien toda a noite. Fica aqui bem. Está mesmo debaixo da janela do meu quarto.

Já é tarde. Estou transpirada, a roupa colada ao corpo. Meto-me debaixo do duche. Lavo-me com sabonete. Está calor, continuo a sentir-me colada. Lavo-me de novo com sabão azul e branco. Finalmente descasco o calor, a areia, o cansaço. Vou à procura de jantar. O dono do Hotel tem um amigo com um restaurante. Aparece logo um marroquino que me leva lá. Estou farta de marroquinos que me querem vender coisas. Vou ter com o rapazito do restaurante. Acabo por jantar no tasco do lado. Frequentado por locais, deve ser bom. Como uma Tagine de carne com legumes, na esplanada e uma garrafa de água. 35 dirhams. O costume. Já percebi que é o preço normal. Não sei se é preço para turistas ou se é também para eles. Mas não está mal.





Depois de jantar pergunto ao rapaz se sabe onde comprar autocolantes de Marrocos. Claro, 30 segundos depois está um homem que tem uma loja e tem autocolantes. Já estava a ver o filme. Mas vamos lá. Caminhada de 15 minutos pelo meio da vila. Fora do circuito turístico, onde eles vivem. Um armazém cheio de coisas de turistas. Pergunto o preço das pulseiras e dos fios berberes. Diz-me para escolher o que eu gosto. Faz um preço por tudo. Claro, esquema de marroquino. Pede 98 euros por 2 pulseiras, 3 fios e 4 autocolantes. Negociamos a beber chá. Tenho o modo cigano ligado e ofereço 20€. Faço a bitola pelo preço das lojas dos chineses. Choro que não tenho dinheiro, que gostava de levar tudo mas não cabe na moto. Sou jornalista e que posso fazer publicidade à loja dele. (Esta resulta sempre). Fechamos negócio.




Os marroquinos fazem da negociação, um ritual. Quanto mais tempo se demora mais eles querem vender. Usam uma infinidade de argumentos. Depois de estabelecerem o 1º preço e da recusa, perguntam quanto damos. Se fizermos um valor, temos de o defender até ao fim. Não dá, vamos embora. Torna-se uma teimosia vender. Uma obsessão. Não nos deixam sair sem comprar. É preciso paciência e perseverança. Eles querem mesmo vender. Nós compramos se o preço agradar. O tempo é uma arma que temos de usar.


Continua ...
A 2ª parte está quase a sair ....
.


6 comentários:

  1. Estive em Marrocos na mesma altura e é bom ler a tua crónica. Encontramo-nos nas Gargantas do Todra (eu estava no grupo da Baviera). Gosto da maneira como descreves a atmosfera que te rodeia. Viajas quase ao sabor do vento, sem compromissos, sem pressas, diria que quase sem destino. Desfrutas cada momento de um modo muito teu. Fico à espera dessa 2ª parte...

    ResponderEliminar
  2. Olá Paula!
    Parabéns pela crónica!
    Gosto das fotografias e como descreves a tua viagem!;)
    Aguardo pelo resto.
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Só de ler a tua cronica já tenho vontade de saltar da cadeira e ir já de rajada até Marrocos..ééééé

    ResponderEliminar
  4. Olá Paula!
    Parabéns, tens jeito para cronista!
    Venham mais essas duas fornadas...
    É uma forma de reviver os meus 10 dias por estas bandas, na mesma semana!
    Espero lá voltar proximamente, e explorar melhor as estradinhas da zona do Atlas.

    ResponderEliminar
  5. Gosto sempre de ver materializado as tuas viagens nas tuas palavras! Que se juntem muitas vezes!
    Bjs!

    ResponderEliminar
  6. Boas Paula

    muito bom como sempre...

    agora...vou ler o restante

    bjs

    ResponderEliminar

Deixe comentário